quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Lua Minguante

Link

Uma curiosidade a respeito dessa Lua: ela inverte de posição no Hemisfério Norte pro Sul e com a Lua Crescente. No Hemisfério Norte, essa Lua decresce da direita para a esquerda, formando um "C" quando está quase Escura (nova); enquanto a Lua, ainda no Norte, cresce da direita para a esquerda, formando um "D" quando está no Quarto Crescente - foi dessa associação que nasceu o símbolo )O(: crescente, plena, minguante/decrescente. Dessa forma, se diz que a Lua, no Norte, é mentirosa: ela forma um D (de decrescente) quando cresce e forma um C (de crescente) quando míngua/decresce. Já no Hemisfério Sul isso se inverte. A lua cresce da esquerda para a direita, formando um "C" no início de seu crescimento; enquanto também decresce da esquerda para a direita, formando um "D" em seu Quarto Minguante. Desse modo, o símbolo correto para a Tríplice Lunar no Sul seria (O): crescente, plena, minguante/decrescente. Assim, no Sul, a Lua não é mentirosa.



Essa Lua vai desde quando a Lua começa a minguar, em geral a partir do segundo dia cheia, até um dia antes da Lua desaparecer, se tornar escura (nova). Mas o pico de poder dessa Lua acontece no Quarto Minguante, data em geral especificada pelos calendários comerciais. 

Se a Lua Crescente é Jovem, A Lua Plena é Mãe, sobrou-nos a Lua Minguante como Anciã. Essa é um arquétipo curioso e muitas vezes incompreendido. A Lua Minguante representa o final do Ciclo, a preparação para a Lua Negra, para a Morte e Renascimento, para aquilo que não podemos ver ou sondar. Por isso, ela nos fala do que é preciso ser feito. A Anciã já amadureceu e obteve toda a experiência necessária para saber o que é certo e errado, se tornando a Conselheira. Mas ela também não mais se preocupa em ser cândida e carinhosa como a Mãe, ela é severa se precisar ser, meiga se precisar ser, e faz aquilo que é certo, muitas vezes em detrimento do que se tem vontade.

Desse modo, a Anciã nos fala da verdadeira amizade, sincera. A sinceridade é a marca grandiosa dessa Lua, doendo ou amortecendo, ela jamais deixará de agir pela prudência, certeza, verdade e necessidade.

Essa Lua também pode nos indicar um lado perverso, como o amargor de uma velhice rabugenta ou decorrente de uma vida solitária e depressiva. Portanto, algumas vezes essa Lua nos falará de seu lado Megera, em contraponto a candura da Jovem - quem em outros momentos pode se mostrar Rebelde, em contraponto a serenidade da Anciã. Mas é esse lado Megera que temos que nos precaver. E não é difícil fazer isso. Se formos amorosos e dedicados com o que nos propomos, certamente essa Lua não terá razão para se mostrar como Megera para nós, pois terá recebido de nós durante seu Ciclo aquilo que prometemos e a Ela direcionamos com amor e presença.

Por outro lado, essa é a última Lua antes da Lua Escura, antes do Ciclo se findar e reiniciar. Por isso é a Lua que, assim como mingua no céu, promete minguar com aquilo que é preciso deixar para trás para podermos prosseguir e renascer. Desse modo, ela nos convida a uma reflexão a respeito da nossa vida e a tomar as decisões que não foram tomadas e que tão necessárias se mostram. É por essa razão que essa Lua é recomendada para todo o processo ou trabalho que precise indicar um fim, uma despedida, um término.

Assim, para comemorar / canalizar essa Lua eu recomendo em primeiro que você se junte aos seus, aos amigos realmente amigos em sua vida. Em segundo, inicie um processo de reflexão a seu respeito e a respeito de sua vida. Assinale os pontos que você quer e que você precise mudar, nos âmbitos que forem de sua vida. Então encontre algo que simbolize todas essas coisas juntas, ou separadamente. Pegue esse(s) objeto(s) e mentalize tudo o que você quer minguar ou eliminar. Então separe-os em seu altar ou no centro de seu círculo, junto com uma vela roxa, água, sal e um incenso purificador (ananda, benjoim, arruda, sete ervas, lavanda). Faça um círculo de sal em volta do local. No centro coloque os objetos, a vela roxa, a água, o sal, o incenso, um caldeirão com elixir de fogo e um cálice com água. Tome um banho de ervas (recomendo uma mistura de arruda, benjoim, alecrim, erva cidreira). Depois do banho, entre no círculo, volte a meditar e a fazer uma reflexão a respeito de sua vida, fixe nas coisas que você precisa eliminar ou minguar em você. Então, acenda a vela e invoque os poderes dessa Lua:



Lua que de serena e megera se faz
Seja a minha amiga
Reabra minha vida!
Ensine-me a mudar o que tem de ser mudado
E me faça deixar para trás o que deve ser apenas passado!
Minha Anciã de grande poder,

Te invoco nesse momento
Que seja tua energia a me preencher.
Amiga queria,
Sempre bem-vinda,
Me aconselhe e me guie,

Me ensine e ilumine.

Que eu possa meus defeitos enxergar
E toda negatividade expulsar...
Que com tua ajuda e guia eu venha a renascer

Do jeito exato que devo ser!"

Acenda em seguida o caldeirão de fogo. Se purifique com a água salgada (três pitadas de sal mexidas nove vezes em sentido horário), e com o incenso e mentalize que toda a negatividade está sendo consumida e transformada pelo fogo, assim como tudo o que você quer banir. Então pegue o(s) objeto(s), e volte a mentalizar tudo o que já mentalizou antes, e quando sentir que deve, se desapegue dele(s) jogando-o(s) no fogo. Veja e sinta tudo se consumir e transformar, dentro e fora de você. Quando terminar, faça a Meditação da Árvore, fixe sua energia com a Terra, tome a água do cálice e se abra para o renascimento e para a condução dessa Lua em sua vida. Quando tudo terminar jogue os restos em um rio ou água corrente.


FELIZ ESBBATH!

Nenhum comentário:

Postar um comentário